quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

VÁ AO TEATRO


VIVER NERUDA: uma experiência dupla com uma Colectiva de Artes Plásticas na Cooperativa Árvore em torno da vida e obra do poeta Chileno + “O Funeral de Neruda” pela Seiva Trupe.
09 a 25 de JANEIRO
Quartas e Sextas às 21:30
Quintas e Sábados às 19:00
Domingos às 17:00.
Informações e Reservas: bilheteira.seiva@gmail.com


 45 Anos de Seiva e Fruto, sempre pela inteligência criativa ao serviço da cultura

terça-feira, 26 de novembro de 2019

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

“O MILAGRE DAS APARIÇÕES"

As cenas de teatro oferecidas pelos governantes já não me deveriam surpreender, mas não é o caso, continuam a ultrapassar todos os limites:

- Ver um insuspeito Capitão de Abril considerar o roubo das armas como um possível de erro de inventário !?

- Assistir ao regozijo da Policia Judiciária Militar bem como do Chefe do Estado Maior do Exercito perante o “milagre da aparição” das mesmas!? Seguido das demissões do Chefe do Estado Maior do Exercito, do Ministro da Defesa logo seguido da prisão do Diretor da Policia Judiciária Militar !?

- Ver a Procuradora Geral da República confiar à Policia Judiciária Nacional a responsabilidade da condução deste processo, afastando do mesmo a Policia Judiciária Militar mais suspeita de encobrir do que descobrir !?

- Constatar que pela actuação da Policia Judiciária Militar  dificilmente se viria saber a verdade !?

- A constituição de mais de duas dezenas de arguidos incluindo o Ministro da Defesa !?

- A indignação do 1º. Ministro, com a medida aplicada ao seu ex-Ministro da Defesa, acusado de vários crimes, mais graves do que as falsas declarações de que «nada sabia» e de não ter informado de nada o 1º. Ministro, o que este nunca esclareceu !?

- As suspeições politicas nunca esclarecidas, justificadas com inflamadas declarações de confiança do 1º. Ministro no seu Ministro da Defesa e do empenho deste em ilibar o seu 1º. Ministro !?

- As declarações de repúdio do 1º. Ministro e o aproveitamento da situação para considerar inqualificável lançar suspeições desta natureza sobre o 1º. Ministro e sobre o Presidente da República !?

- A colagem do 1º. Ministro - que nada explica - ao Presidente da República - que tudo explicou com clareza - !?

-  Finalmente, a arrogância do Partido Socialista ao anunciar a agenda politica da campanha eleitoral, fixando o que os candidatos podem e não podem dizer  !?

 António Costa pode ter «aparições politicas», disfarçado, com asas de anjo, eu direi sempre: Tu és o Costa.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

VIVEMOS A FINGIR DE MORTOS

Os debates têm sido cordeais e contribuído para um melhor conhecimento dos candidatos e das suas propostas.


Catarina Martins e Assunção Cristas: Boa preparação e a necessária agressividade. Gerónimo de Sousa: Equilíbrio nas propostas e tomadas de posição, atraente, simpático e tolerante. António Costa sempre otimista, demagogo, bom manipulador de números e de estatísticas. O responsável pelo PAN não me despertou interesse.

Senti a falta de Rui Tavares, fundador do Livre, um jovem bem preparado, acrescentaria valor ao painel.

No debate com Assunção Cristas (só assisti a uma parte) António Costa criticou a sua proposta que defende: Alunos com médias de 18,6 deviam ser admitidos nas nossas universidades, pagando os seus cursos, tal como os estrangeiros.

Resposta: - O nosso ensino, tendencialmente gratuito, não é para ricos com maus resultados mas para os bons alunos.

Com falsos argumentos obriga alunos brilhantes (18,6) a emigrar e a pagarem os cursos no estrangeiro em favor de estrangeiros com médias inferiores.
Pura demagogia.

«António Costa sacrifica tudo para se manter no poder», foi como Assunção Cristas encerrou o debate.

Com Rui Rio, perante a discordância de Rio relativamente aos aumentos concedidos aos juízes, responde:

- O Sr. Não gosta dos juízes.

De novo, a arbitrariedade, a demagogia, a displicência seguida da banalização das propostas de Rio relativas a mudanças a operar no Ministério Público e na Justiça.

António Costa não precisa dizer como gosta dos juízes, basta olhar para a sua generosidade nos aumentos que lhes concedeu. Também é amigo dos bancos, dos patrões, das petrolíferas…. uma grande lista onde só figuram os mais fortes para os quais também é generoso, sempre em prejuízo dos mais fracos.

A ligeireza das suas respostas é a mesma com que sacode as responsabilidades dos sucessivos escândalos que abalam grande número dos seus Ministérios.

Quanto ao Ministério da Administração Interna escrevi o mês passado. Estão a aparecer novos desenvolvimentos com maior gravidade do que então era conhecidos.

No Ministério da Defesa continua na sombra o mistério das armas roubadas e descobertas. Originou demissões, o próprio Ministro demitiu-se e foi constituido arguido.

No caso do Ministério da Justiça, não se conhece à Srª. Ministra uma só medida digna de registo. O que fica são discursos despropositados e do seu empenho na substituição da Procuradora Geral República.

De notar que Joana Marques Vidal restaurou a confiança numa Instituição desacreditada, o seu mérito mereceu o consenso de todas as forças politicas incluindo do Sr. Presidente da República, com exceção do Partido Socialista.

O país, ainda tem presente os períodos negros dos seus antecessores e ficou perplexo com a sua destituição, ainda mais, com o apoio do Sr. Presidente da República.

O argumento usado foi o de não concordarem com segundos mandatos.

Aguardemos pela decisão do Sr. Presidente quanto á sua candidatura a um segundo mandato.

Não se trata de gostar ou não gostar dos titulares de cargos públicos, não escondo o respeito que me merece o Prof. Marcelo de Sousa.

O que está em causa é o Interesse Nacional, é a defesa do Estado de Direito, um pilar da Democracia abalado por decisões tomadas por um juiz que alegadamente vendeu sentenças e que lamentavelmente continua a exercer as suas funções antes de ser julgado.

Como é possível?!
 
Acrescem as contradições também incompreensíveis de altos responsáveis do poder judicial.

O Supremo Tribunal de Justiça determina que o juiz Rangel continua suspenso das suas funções. O presidente do Tribunal da Relação de Lisboa readmite-o nas mesmas funções, em cumprimento de ofício do Conselho Superior da Magistratura.

Como é que cidadãos e empresas se podem sentir seguros?!

Todos nós, julgo mesmo que os juízes cujas sentenças continuam a merecer a aceitação geral, temos o dever de reclamar da Assembleia da República e do Governo medidas que reponham a confiança e a legitimidade conferidas pela Constituição. Está em causa um pilar do Estado de Direito Democrático.

É também o momento de termos a coragem de mudar, de nos libertarmos dos políticos experientes na arte de retirar do centro do debate politico o Interesse Nacional; dos indecisos, que nunca assumem responsabilidades; dos amigos do seu amigo e do politicamente correto, com modelos de governação esgotados que não criam valor e sem futuro; dos envoltos numa promiscuidade indesejável com o futebol, dos que alimentam esperanças com promessas disparatadas como: A irradicação da pobreza sem dizerem como, habitação para todos a baixo custo………  à partida sabem que não vão cumprir, mas geram expectativas.

Precisamos de políticos que não tenham medo de dizer o que pensam, descomprometidos, genuínos, sérios, que inspirem confiança na implementação de novos modelos sustentáveis de governação que crie riqueza e tenham a coragem de nos libertar de interesses mesquinhos, imorais e que esmagam as famílias.

É o tempo de assumirmos o desígnio nacional de humanizar a politica, poupar as famílias da angustia, da humilhação e da mentira contida em anúncios+anúncios,  promessas+promessas  nunca cumpridas ou chegam apenas aqueles mais próximos dos centros decisores.

As famílias têm de dispor dos meios materiais que lhes assegure o pagamento das despesas normais da sua casa, os cuidados de saúde, o aluguer ou a prestação da compra da casa; beneficiar de condições normais de acesso ao crédito bancário; proporcionar aos filhos condições para o desenvolvimento de todas as suas capacidades.

É preciso derrubar todos os muros que perpetuam reformas e ordenados mínimos humilhantes, comprovadamente insuficientes para famílias viverem com um mínimo de dignidade, sujeitando-as a um endividamento junto de agiotas com juros escandalosos de que nunca se conseguem libertar (os bancos recusam-lhes qualquer empréstimos), condenadas a vidas inteiras de sofrimento, com a mão estendida à caridade de uma ajuda, de um subsídio, da prometida casa que nunca chega.

Impõe-se extinguir as diferenças abismais entre os vencimentos milionários, a que somam ainda prémios também milionários, comparativamente com o que recebem os seus trabalhadores.
Reduzir reformas milionárias e mordomias, principalmente daqueles que lesaram o próximo, bancos e Estado.

É também insustentável o aumento crescente do peso do Estado, transformado num albergue mediante o recrutamento descontrolado de clientelas: assessores, secretários, secretárias, familiares, amigos, amigas …. Um Estado incapaz de conter desperdícios, incapaz de reduzir para metade o número de deputados, medida há muito esperada e nunca concretiza por depender dos próprios; incapaz de conter mordomias desproporcionadas, a todos os níveis, que esgotam recursos e muito contribuem para perpetuar a pobreza, por muito que digam o contrário.

É um universo obsceno que não é compatível com a passividade, a submissão, o conformismo e principalmente com uma aceitação que nos devia cobrir de vergonha.

Coloquemos as energias essenciais do espirito e do coração no combate a toda esta imoralidade onde residem os meios materiais necessários para que todos, sem exceção, possamos vivermos com dignidade, amor humano e espirito de fraternidade.

«Todo o homem que possui mais do que é necessário para a sua vida, para a vida dos seus e para o desenvolvimento normal da sua inteligência é um ladrão. O que ele tem de sobra outros têm a menos».
Romain Rolland, considerado «A consciência moral da Europa»

Eu voto Rui Rio




sábado, 14 de setembro de 2019

O Fogueteiro e o Apanhador das Canas.



Devo confessar que não passo de um espectador do teatro eleitoral que as televisões, jornais e rádios nos oferecem a toda a hora.
Assisti, casualmente, ao debate dos lideres do PS e do PCP. Não esperava por debate tão anémico.
A firmeza como o primeiro fixou de frente o seu adversário, ao longo de todo o debate, refletia - a acreditar nas sondagens recentes - uma forte expectativa numa maioria absoluta.
Já o seu opositor evitou a todo o custo o mesmo olhar. Vergado com o peso de sondagens desfavoráveis e as incertezas quanto aos resultados eleitorais, mal disfarçava um ar de vencido em contraste com a campanha vitoriosa do politico experiente que o enfrentava.
No espirito de ambos, embora não verbalizado, esteve presente como tudo começou, vai para 4 anos, o que suavizou o debate.
O vencedor antecipado que hoje lança o fogo de artificio foi o grande derrotado em eleições passadas.
Mão providencial lançou-lhe uma tábua se salvação em forma de desafio:
- «António Costa só não é 1º. Ministro se não quiser».
Claro que quis, agarrou a oferta com ambas as mãos.
O salvador apanha agora as canas.

sábado, 17 de agosto de 2019

«O BOM POLITICO» E A GREVE DOS MOTORISTAS DE MATÉRIAS PERIGOSAS



O «Bom Politico» é identificado com o politico experiente, hábil, cria cenários à volta do que reputa o Interesse Nacional, desvia as atenções do cento dos problemas e desvirtua o que verdadeiramente está em causa.

É o caso das negociatas de bijuterias que o Ministro da Administração Interna classificou de equipamentos de prevenção e que não passam de propaganda eleitoral do partido socialista.

Com tudo a denunciar o estado lastimável dos serviços públicos, a começar pelo SNS, Lojas do Cidadão, isto com maior carga fiscal de que há memória; numa politica de «chapa ganha, chapa gasta», de esbanjamento de recursos, sem investimento, sem reformas, sem futuro, incapaz de resistir à primeira crise.

A forma de disfarçar a realidade surge no debate:

«O ESTADO DA NAÇÃO»

Com o 1º. Ministro a exaltar o «Estado Vitorioso da Nação»:

Baixou os impostos, registou um crescimento acima da média, melhorou o emprego, garantiu arrendamentos, em Lisboa, de habitação condigna a baixo preço, recuperou a dignidade perdida do Pais…… Verdadeiramente empolgado, confessou nunca ter imaginado ser possível fazer tanto…. e eu fiquei sem saber de que Pais estava a falar.

Pouco tempo decorrido tornei a ouvir o 1º. Ministro na

CONVENÇÃO NACIONAL DO PS

Foi delirante ao anunciar que «libertou o pais do garrote da divida» - segundo a Pordata, de 2016 a 2018 a divida externa líquida aumentou de 175.228 para 179.457 euro – milhões.

Uma propaganda de promessas e de anúncios + anúncios, como: A construção, em Lisboa, de habitação para todos a preços reduzidos; cinco novos hospitais (já prometidos para esta legislatura e tornados a anunciar para a próxima); a feira montada para a baixa de impostos, depois de anunciada pela oposição; o SNS - agora eleito com todo o carinho a Joia da Coroa…!?

Acontece que o politico que procure mudar este paradigma e dizer a verdade, «não é um bom politico», tem no próprio partido quem lhe ponha o rotulo de «fraco» - O tal «Bom Politico» à espreita do lugar.

Em toda esta «geringonça» surge a

GREVE DOS MOTORISTAS DE MATÉRIAS PERIGOSAS

 Oportunidade única para o «Bom Politico» mostrar o que vale.

Trata-se aproveitar a situação para lançar uma cortina de fumo sobre «embaraços eleitorais», criar cenários à volta do Interesse Nacional, desviar as atenções do cento do problema e desvirtuar por completo o que verdadeiramente está em causa, bem simples de saber:

Os motoristas de matérias perigosas há vinte anos reclamam a atualização do ordenado base (630€) e o pagamento das horas extraordinárias.

Como nunca conseguiram ser ouvidos pelos patrões viram-se obrigados a fazer greve, fora do sindicato tradicional que nunca os defendeu. Continuam a não ser ouvidos porque o patrão não negoceia com os trabalhadores em greve.

O governo chamado a mediar os diferendos, habituado a estar sempre do lado do mais forte, seja patrão, banco, telecomunicações, petrolífera etc., colocou desde logo os seus Ministros do lado dos patrões. 

Tratou-se de um evidente mau começo e tudo descambou.

Como estão em jogo eleições, impõe-se dar provas de vigor no exercício do poder, para o efeito o governo mobiliza:

PSP, GNR, Exercito, Marinha, Força Aérea com helicópteros a sobrevoar as operações terrestres e Decreta a Requisição Civil.  Simulacro de estado de guerra contra os grevistas.

Reação patriótica dos patrões:

«Esta greve é contra os portugueses. É importante que todo o povo português compreenda que esta greve é contra os portugueses».

Os patrões que durante vinte anos não negociaram a subida de um miserável ordenado mínimo em tempo de paz sindical, obtiveram do poder instituído a montagem de um «teatro» de guerra para «vergar» os trabalhadores e obriga-los a renunciar à greve, como condição para, então, negociar.
Todo este «circo» é desanimador e desmotivador. A abstenção vai ganhar as eleições uma vez mais.