sábado, 13 de maio de 2017

Número de contribuinte da Seiva Trupe – 501 056 882 –

0,5% do IRS para a CULTURA
Ao longo de 44 anos de existência debatemo-nos para servir uma audiência sempre com inteligência criativa ao serviço da cultura para dar mais sentido e beleza às suas vidas. Assim, lembramos-lhe que poderá contribuir para aprimorar o n/ trabalho.
Sem o mínimo custo para V. Exa., quando preencher o IRS, p.f. lembre-se de indicar o número de contribuinte da Seiva Trupe – 501 056 882 – no quadro 11 da Folha do Rosto 3 da sua declaração.
O espectáculo, após o término das temporadas, na Casa das Artes do Porto, seguiu em itinerância. Assim, informamos que o próximo espectáculo realizar-se-à no próximo dia 20 do corrente, em Lordelo Paredes Se estiver nos arredores, não perca a oportunidade de assistir a um casting com 3 palhaços que rivalizam por um pequeno trabalho - na espera vão revisitando fragmentos das suas vidas, tentando mostrar uns aos outros que ainda têm tanto ou mais talento que nos seus tempos dourados.

Momentos dramáticos e humorísticos numa realidade absolutamente patética.



PRÓXIMO ESPECTÁCULO

O Sr. IBRAIM
E As Flores do Alcorão
de Eric-Emmanuel Schmit
    c/ direcção de Júlio Cardoso
Aquilo que dás é teu para sempre
o que guardas, perde-se para sempre

Texto e fotos: Seiva Trupe

terça-feira, 7 de março de 2017

Vá ao Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima ver “Pequeno Trabalho Para Velho Palhaço”


No dia 10 de Março, pelas 22h00, a Seiva Trupe apresenta no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, a peça de teatro:

“Pequeno Trabalho Para Velho Palhaço”, de Matéi Visniec.

Sinopse:
 
Três palhaços velhos, que respondem a um pequeno anúncio de jornal, (talvez submetidos) a um casting derradeiro encontram-se para revisitar fragmentos das suas vidas, mas é a morte que paira sobre este universo circense que já não existe, que se dilui como o sabor açucarado de uma pastilha elástica nas bocas de espectadores aborrecidos…
É neste sentido que cada um vai recordando factos e trabalhos, com a permanente preocupação de mostrarem que ainda têm tanto ou mais talento que naqueles tempos dourados. Neste espaço de espera vão emergindo episódios dramáticos e humorísticos numa realidade absolutamente patética.



Ficha Artística | Técnica:
Autor | Matéi Visniec
Tradutor | Regina Guimarães
Desenho de Luz | Júlio Filipe
Encenação| Roberto Merino
Assistente de Encenação | Teresa Vieira
Fotografia | António Alves
Interpretação     |  Fernando Soares
                           José Cruz
                           Mário Moutinho
                           Luís Ribeiro
                           Manuel Vieira
Operação de Luz e Som | Filipe Cardu
Classificação Etária: M/12
Realização: SEIVA TRUP

Texto e fotos: Seiva Trup


 

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

UMA PRAÇA EM CADA BAIRRO


Mário Cesariny

Francisco Lyon de Castro
Adriano Correia de Oliveira

Felicito a Associação de Moradores da Praça de Entre Campos pela homenagem prestada a grandes artistas contemporâneos através da arte urbana representada nos grafitis.






APAGÃO



Inadvertidamente apaguei 5 anos de publicações com centenas de fotografias sem possibilidade de recuperação

terça-feira, 24 de abril de 2012

TEATRO SEIVA TRUPE - Campo Alegre - PORTO




   VÁ AO TEATRO
 


ADIVINHE QUEM VEM PARA REZARM/12

De 3 de Maio a 3 de Junho
Autor: Dib Carneiro Neto
Encenação: Júlio Cardoso
Cenografia: José Carlos Barros
Elenco: António Reis e Jorge Loureiro
Desenho de Luz: Júlio Filipe
Desenho de Som: José Prata
Local: Teatro do Campo Alegre - Porto
Horários: de 3ª a sábado: 21H45
Domingos: 16H00
Produção: SEIVA TRUPE
Sinopse:
Adivinhe Quem Vem Para Rezar trata de personagens masculinas, conversando sobre o que não foi falado durante os seus anos de convivência - ou de coexistência. Em foco, o universo masculino, com homens para quem conversar é complicado demais, feminino demais. Mas senão falam...
“Homem falando com homem pode ser um desastre.” Mas guardar tudo dentro de si também é desastroso, dolorido. Ressentimentos, lacunas, silêncios demais. Depois, como acertar o que não foi dito?"
"Lições, sermões, advertências e pregações. “Não adianta tanta fortaleza, o chão do mundo é feito de areia movediça...” “Quanta sabedoria repentina. Quanta amargura...” “É assim, é da natureza.” Um conselho de pai, vindo de uma citação de Jean-Paul Sartre, filósofo, sexo masculino: “A gente desfaz-se das nossas neuroses, mas não se cura de si próprio.”


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

CARNAVALESCO NACIONAL PORREIRISMO


CARNAVALESCO NACIONAL PORREIRISMO

É ver lideres partidários e parlamentares, Presidentes de Câmara, Presidentes dos Governos da Madeira e dos Açores, a nata dos pensadores e comentadores, todos altamente preocupados com a extinção de feriados e  dia de carnaval.

Semanas a discutir o sexo dos anjos como se não estivéssemos a viver uma situação de excepção, verdadeiramente dramática para muitos, com uma divida como nunca existiu, sem dinheiro e perto da banca rota.

Até D. Januário, Bispo das Forças Armadas se associou ao coro de reivindicações crónicas da Associação dos Oficiais das Forças Armadas, preocupados com promoções, a manutenção de privilégios de casta como estabelecimentos de ensino especial, Hospitais próprios, mordomias consideradas insustentáveis.

D. Januário não ignora a necessidade de reformar as Forças Armadas bem como muitas outras instituições .

Deve saber que não há dinheiro para manter tudo na mesma e que a tão reclamada equidade não será possível se nada for feito, se não houver reformas profundas, seriedade, solidariedade, se continuarmos a vender ilusões e a enganarmo-nos uns aos outros como até aqui.

 Otelo Saraiva de Carvalho, sempre fiel aos seus princípios, em recentes declarações sobre as Forças Armadas objecto de grande polémica, revelou uma coerência e uma consciência moral que eu não descortino nas palavras do Bispo das Forças Armadas.

Fiquei mesmo perplexo com o protagonismo mediático de D. Januário, só comparável ao assumido pelos mais destacados lideres políticos, pensadores e comentadores numa antecipação Carnavalesca de Nacional Patriotismo.

D. Januário vai mesmo mais longe e, a coberto de um manto de santidade, faz declarações  bombásticas quando afirma: «Já sentir o cheiro da queda do regime» - são palavras suas - e prossegue semeando ventos, anunciando tempestades… numa submissa aliança com interesses instalados que só acentuam as desigualdades.

Atitudes destas, contrárias a um verdadeiro espírito de fraternidade, não me levarão a deixar de pensar que todo o cristão se deve esforçar por pautar a sua conduta revestido do espírito de Cristo que sempre esteve ao lado dos mais desfavorecidos.