quarta-feira, 14 de junho de 2017

MEMÓRIAS DE UM SOBREVIVENTE - casos da vida real


III
A HORA DA VERDADE
Tiveram o bom senso de manter todos os tubos ligados.
O sofrimento da Mãe ali sentada, dia e noite, ao lado da cama, sem dormir, sem parar de chorar, não conhecia limites.
Era o seu verdadeiro amparo, o seu anjo da guarda em carne e osso, transmitia-lhe paz, facilitava-lhe o pensamento, mantinha-o vivo.
«Tu não podes emocionar-te, se desatas a chorar, como os outros, apagas-te como um passarinho».
«Pensa bem. O especialista que concluiu pela tua morte ignora que tenhas ouvido tal sentença, de contrário não a teria proferido em voz alta».
«Todos ignoram que tu ouves, escutas e pensas. Estão todos se enganados».
«É Deus que está contigo e não vai abandonar-te».
«Deixa de ser incrédulo».
«Foi preciso ouvires a tua sentença de morte para despertares e para a pensares em Deus».
«Aprende, acredita e esforça-te para teres fé. O que tens a perder?
Só tens a ganhar se fores ao encontro daquilo que agrada a Jesus».
«Afinal, o que consideras como o pior que te aconteceu poderá reverter na melhor experiência da tua existência».
«Sempre te intrigou a resposta de Gandi, quando lhe perguntaram: O que é a verdade?
- A verdade é Deus, respondeu.
Ora se Deus é a verdade e a vida tens de começar por varrer do coração a mentira e também a animosidade para com os outros, os julgamentos e as condenações antecipadas que te atreves a proferir, a vaidade, a arrogância, a indiferença…todo o lixo em que tens vindo a tropeçar.
«Assim tenhas oportunidade para fazer uma tal limpeza que te facilite um novo olhar para o mundo e para o próximo, um novo ar para respirar».
« Cultiva uma nova dimensão espiritual. Empenha-te, trabalha e esforça-te como se tudo dependa de ti e confia como se tudo dependa da misericórdia de Deus e do seu perdão».
«Chegou também a hora de dares ouvidos á tua Mãe. Foi ela quem te disse:
- Quem rezar 1.000 “Santa Maria”, obtém a graça pedida.
Não tens outra saída. Tens de seguir em frente…acreditar e conseguir».
«Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte…»
«Pela primeira vez achava a oração curta, bonita e muito apropriada para o momento: …agora e na hora…  
Havia que deitar mãos à obra. Como controlar até mil?
Contar as dezenas pelos dedos das mãos e fixar cada dezena num dedo. Ao atingir o último dedo das mãos passar a centena para um dedo do pé e assim sucessivamente até atingir o último dedo dos pés, correspondente ao milhar.
……………………….
Terminou com a convicção de não ter errado uma única Santa Maria e também com o peso de só se lembrar de "Santa Barbara quando troveja".
Estava muito cansado, perdeu todas as energias, sentiu-se exausto.
Adormeceu profundamente.




A seguir:
IV

O AMANHECER DE UM NOVO DIA

Sem comentários:

Enviar um comentário